Entrevistas | Running Wonders
12/12/16 Entrevistas , Running Wonders EDP

Entrevista – Carlos Silva

Nome completo?

Carlos Miguel Pereira da Silva.

 

Clube que representa?

Grupo Desportivo Recreativo Reboleira.

 

Como se iniciou no atletismo?

Iniciei o atletismo na escola, nas provas escolares com 14 anos e fiquei apurado para os nacionais de corta-mato na Maia no qual fui campeão nacional no ano de 1997 e logo no ano a seguir, visei o titulo e fui de igual modo campeão nacional, desta vez em São Pedro Sul.

 

Percurso realizado na modalidade?

Ingressei no Sporting Clube de Portugal, o meu primeiro clube como federado no ano de 1999 e durante 14 anos foi o meu clube do coração onde tive muito orgulho de representar a camisola do clube. Mas, derivado a circunstâncias da vida, saí do clube em 2013 e ingressei no GDRReboleira onde o represento deste então.

 

Palmarés?

Campeão Nacional de corta-mato juvenis (2000)

Campeão Nacional de pista ar livre 1500m juvenis (2000)

Campeão Nacional de pista coberta 1500m Júnior (2001/2002)

Vice-campeão Europeu por Equipas júnior (2001)

Campeão Nacional de corta-mato Júnior (2002)

Campeão Nacional de pista ar livre 1500m Júnior (2001/2002)

Campeão Nacional de pista coberta 3000m Júnior (2002)

Campeão Nacional de pista coberta 3000m Sénior (2008)

Vice-Campeão nacional de montanha Sénior (2013)

Campeão Nacional da maratona (2014)

Dentro destes palmarés tenho muito por dizer, há também as corridas de estrada, representações da selecção nacional em campeonatos da europa e do mundo e muito mais, aqui coloquei as mais importantes que até agora fiz na minha carreira.

 

Influências e ídolos dentro da modalidade?

Nunca tive influências directamente, os ídolos como grande parte dos nossos atletas, o meu é sempre e sempre será o Rui Silva, nome muito sonante do atletismo, foi meu companheiro de treino e de clube durante muitos anos, por estes motivos e mais alguns, este é o meu ídolo.

 

Plano atual de treinos?

Treino todos os dias uma vez por dia, pois infelizmente o atletismo não dá para ser a minha prioridade derivada ao que o nosso país aposta nesta modalidade e não só. Tenho o meu trabalho que me ocupa todo o dia. Mas como o bichinho do atletismo já dura há muitos anos não consigo parar, levanto-me muito cedo para fazer o meu treino para logo de seguida ir trabalhar. Sempre que posso, vou até à pista fazer um treino mais rápido. Por semana, faço uma média de 130km.

 

Que equipamento utiliza para os seus treinos? E para as corridas?

Para os treinos e para as corridas, o equipamento deve ser sempre bom, ainda por cima para quem é e quer ser um profissional, os ténis são o melhor equipamento para qualquer atleta de topo pois é o que mais conta para o atleta se sair bem numa corrida.

 

Hábitos alimentares que utiliza e aconselha aos iniciantes da modalidade?

Eu como atleta como de tudo, mas no dia antes das corridas evito os fritos, doces e sumos, ingiro muita água e hidratos de carbono (massa), a acompanhar uma carne grelhada. Mas depende de pessoa para pessoa.

 

Como tomou conhecimento com as Running Wonders EDP?

Foi através da Meia Maratona do Dão de 2015, até então não os conhecia. E a internet também foi uma ajuda.

 

Em quantos eventos é que já participou?

Já participei cinco vezes, duas delas no ano passado e três este ano.

 

Que preparação costuma realizar para estas corridas?

A preparação é o normal para todas as corridas, nesta fase faço mais quilómetros durante a semana, mas nada de muito específico.

 

Que perspetiva tem deste tipo de eventos?

Acho que estes eventos que vocês organizam é uma vantagem enorme não só para as pessoas correrem ou até caminharem, como também a beleza que vocês levam do nosso pequeno país para que todo o povo português veja a beldade das nossas grandes cidades e este ano tivemos uma grande ajuda. A TVI24 é uma vantagem enorme para divulgar mais o atletismo, visto ser tão pouco falado. Um muito obrigado.

 

Objetivos para 2017?

Nada em concreto, continuar a correr é o meu grande objetivo, tudo o resto vem por acréscimo.

 

Projetos de futuro dentro da modalidade?

Como disse anteriormente, o meu projeto futuro é correr enquanto puder. Já venci muitos títulos e também já representei a nossa Selecção Nacional muitas vezes por isso agora é até poder correr.

no responses
07/12/16 Entrevistas , Running Wonders EDP

Entrevista – Carla Martinho

Nome completo?

Carla Gabriela de Jesus Martinho.

 

Clube que representa?

Recreio Desportivo de Águeda.

 

Como se iniciou no atletismo?

Após ter participado numa corrida de festa, comecei a frequentar o treino do “Sobustos”, levada pelo meu irmão.

 

Percurso realizado na modalidade?

Iniciei a minha carreira aos 10 anos, no “Sobustos”, clube que participava essencialmente em competições do INATEL, tendo posteriormente passado para a ADREP e mais tarde para a ADERCUS, tendo-me transferido esta época para o Recreio Desportivo de Águeda.

 

Palmarés?

  • Campeã nacional de Juvenis de pista, nos 3.000m, 1997;
  • 3ª classificada no campeonato nacional de Juniores de corta-mato, Porto/1999;
  • 5ª classificada no campeonato nacional de corta-mato curto, Porto de Mós/2007;
  • 5ª classificada no campeonato nacional de corta-mato curto, Vagos/2010;
  • 6ª classificada no campeonato nacional de corta-mato longo, Pombal/2014;
  • 8ª classificada no campeonato nacional de corta-mato longo, Figueira da Foz/2004;
  • 9ª classificada, campeonato nacional de corta-mato longo, Castelo Branco/2009;
  • 3ª classificada no campeonato nacional de estrada, Elvas/2014;
  • Vencedora da Taça de Portugal de Corrida de Montanha 2010;
  • 8ª classificada no Campeonato da Europa de Corrida de Montanha, Bulgária, 2010, 6º lugar coletivo;
  • 43ª classificada no Campeonato do mundo de Corrida de Montanha, Eslovénia/ 2010;
  • 38ª classificada no Campeonato da Europa de Corrida de Montanha, Turquia/ 2011;
  • 30ª classificada no Campeonato do Mundo de Corrida de Montanha, Albânia/ 2011;
  • 48ª classificada no Campeonato do Mundo de Corrida de Montanha, Polónia, 2013;
  • Participação no europeu de corrida de montanha em França;
  • 8º lugar no campeonato da europa de corrida de montanha, Sapareva (BUL)/2010;
  • Campeã nacional de corrida de montanha, Luso/2010; vice-campeã, Oliveira do Hospital/2011; 3ª classificada, Mondim de Basto/2013.
  • Atleta pontuável da ADERCUS, equipa campeã nacional de corrida de montanha, Mondim de Basto/2013; Sinfães/2014.
  • Campeã de Portugal de 5.000m, Seixal/2008;
  • 3ª classificada nos campeonatos de Portugal, em 1.500m, Seixal/2008;
  • 3ª classificada nos campeonatos de Portugal, em 5.000m, Lisboa/2011;
  • 3ª classificada nos campeonatos nacionais de pista coberta, em 3.000m, Espinho/2007;
  • Integrou a selecção nacional no Troféu Ibérico de 10.000m, Lisboa/2014, e Maia/2016;
  • Vencedora da meia-maratona de Macau/2015;
  • 6ª classificada no campeonato nacional de corta-mato longo;
  • 2ª atleta portuguesa na EDP Meia-maratona de Lisboa/2016;
  • 2ª classificada na EDP Meia-maratona do Douro/2016;
  • Vencedora da meia-maratona da Figueira da Foz/2016;
  • Vice-campeã nacional de corta-mato curto/2016;
  • 6ª classificada no campeonato nacional de corta-mato longo/2016;
  • Atleta internacional de 10.000m, no Troféu Ibérico, com record distrital de Aveiro – 33min38,93 (Maia, 09/04/2016).

Influências e ídolos dentro da modalidade?

Os meus ídolos são todos os praticantes de atletismo, que mesmo com as dificuldades do dia-a-dia, ao fim de um dia de trabalho ainda conseguem arranjar motivação e energia para treinar.

 

Actual plano de treinos?

O meu plano de treino engloba conteúdos como a corrida contínua, flexibilidade, técnica de corrida, velocidade, reforço muscular, rampas, treino intervalado, treino de corrida longo e competições de preparação.

 

Que equipamento é que utiliza para os seus treinos? E para as corridas?

No treino utilizo equipamento confortável, mas na maior parte das vezes mais robusto, enquanto nas competições o equipamento é o mais leve possível, embora também confortável.

 

Hábitos alimentares que utiliza e aconselha aos iniciantes da modalidade?

Faço uma alimentação equilibrada, mas ajustada apenas às minhas necessidades, evitando excessos e com a preocupação de fazer uma boa hidratação ao longo do dia. Quanto aos iniciantes na modalidade, recomendo que não pensem só na corrida para perder massa gorda, mas que pensem também na dieta para perderem massa gorda, de modo a tornarem o treino mais fácil.

 

Como tomou conhecimento com as Running Wonders EDP?

Conheci as Running Wonders EDP através de colegas de atletismo.

 

Em quantos eventos é que já participou?

Participei em 6 meias maratonas.

 

Que preparação costuma realizar para estas corridas?

Para a meia maratona costumo realizar pequenos ciclos de 4 semanas, dado que a minha preparação é direccionada para os 10.000m durante quase toda a época, permitindo um bom desempenho em distâncias ligeiramente inferiores e superiores.

 

Que perspectiva tem deste tipo de eventos?

Em todos os eventos que participei destacou-se o rigor organizativo e o carinho com que tratam os participantes, desde os atletas de elite até aos runners do pelotão.

 

Objetivos para 2017?

O meu objectivo passa por melhorar mais um pouco o meu record pessoal aos 10.000m, que foi estabelecido na última época em 33:38.93, realizado na Maia, a 09.04.2016.

 

Projetos de futuro dentro da modalidade?

Para já só penso em competir o melhor que possa e em prolongar a minha carreira o mais possível.

no responses
10/11/16 Entrevistas , Running Wonders EDP

Entrevista – António Pedro Rocha

Nome completo?

António Pedro de Almeida da Rocha.

 

Clube que representa?

GiraSol.

 

Como se iniciou no atletismo?

Fiz a minha primeira corrida com 10 anos de idade e, apesar de ter ficado longe dos primeiros lugares, o bichinho da corrida surgiu aí. Desde essa altura fui competindo a nível do desporto escolar, mas raramente conseguia o apuramento para as competições distritais.

Aos 17 anos apurei-me para o corta-mato escolar nacional e, por motivação do meu professor de Educação Física, comecei a treinar. O início foi muito complicado porque não tinha treinador, nem clube e os meus treinos eram muito rudimentares.

 

Percurso realizado na modalidade?

Inicialmente corri pelo Clube Desportivo de Drizes, de São Pedro do Sul, mas o clube dedicava-se praticamente só ao futebol e, quando as competições de atletismo coincidiam com as do futebol, não havia transporte para as provas. Esse foi o principal motivo que me levou a sair e a ingressar na Associação Cultural e Recreativa de Cambra, de Vouzela, onde permaneci quatro anos. Após este período, em que obtive alguns resultados relevantes, ingressei na Associação GiraSol, onde permaneço há 2 anos.

 

Palmarés de carreira?

Já venci múltiplas provas de estrada. Mas a aposta continua a ser a pista onde já entrei várias vezes no Top 10 a nível nacional.

 

Influências e ídolos dentro da modalidade?

Em Portugal, os meus grandes ídolos e influências são o Rui Silva, Rui Pinto e o Licínio Pimentel. A nível mundial o Hicham El Guerrouj e o Kenenisa Bekele são os atletas que mais admiro pelo seu estatuto e historial.

 

Plano atual de treinos?

Só tenho possibilidade de fazer um treino por dia. Os meus treinos resumem-se a trabalhos de corrida contínua (4 vezes por semana) e treinos intercalados (3 vezes por semana), sendo que ao fim de semana faço um treino longo (mais de 20 km).

 

Que equipamento utiliza para os seus treinos? E para as corridas?

O mais importante no equipamento é a questão do calçado que se utiliza. Os corredores estão sempre sujeitos a grandes impactos no solo e é preciso escolher as sapatilhas adequadas às nossas características.

 

Hábitos alimentares que utiliza e aconselha aos iniciantes da modalidade?

O gasto de energia depende das características do atleta, da intensidade e do ambiente em que habitualmente treina. Recomendo uma alimentação rica em hidratos de carbono de modo a satisfazer as acrescidas exigências energéticas. Ainda assim devem consultar um nutricionista de modo a planear de forma controlada a sua alimentação.

 

Como tomou conhecimento com as Running Wonders EDP?

A GlobalSport introduziu um novo conceito na modalidade com as “Running Wonders”. Foi fácil tomar conhecimento destas corridas porque são bem divulgadas e têm uma estrutura impressionante.

 

Em quantos eventos já participou?

Já participei em quatro eventos promovidos pela GlobalSport. Três meias maratonas e uma mini maratona.

 

Que preparação costuma realizar para estas corridas?

Depende sempre da época. Mas para se fazer uma meia maratona com qualidade é preciso ter sempre uma boa base de quilometragem desenvolvida nos treinos. Geralmente faço entre 100 a 120 quilómetros por semana em treino.

 

Que perspectiva tem deste tipo de eventos?

O facto de os circuitos percorrerem zonas histórias classificadas pela Unesco como Patrimónios Mundiais é uma novidade do nosso país e está a ter um tremendo sucesso. Como atleta, é bom sentir o envolvimento de uma moldura humana enorme.

 

Objetivos para 2017?

Tenho evoluído muito no último ano, os meus resultados provam isso mesmo. O trabalho que tenho feito nos treinos revelam que é possível aspirar a outros patamares e espero que 2017 seja um ano de afirmação.

 

Projetos de futuro dentro da modalidade?

A curto prazo, as minhas ambições passam por ganhar uma medalha nos campeonatos nacionais e, a longo prazo, representar a Selecção é outra delas.

no responses
EnglishFrenchPortugueseSpanish